quinta-feira, 12 de março de 2009

"Pensamentos que reúnem um tema" - Adalgisa Nery


Estou pensando nos que possuem a paz de não pensar,

Na tranqüilidade dos que esqueceram a memória

E nos que fortaleceram o espírito com um motivo de odiar.

Estou pensando nos que vivem a vida

Na previsão do impossível

E nos que esperam o céu

Quando suas almas habitam exiladas o vale intransponível.

Estou pensando nos pintores que já realizaram para as multidões

E nos poetas que correm indefinidamente

Em busca da lucidez dos que possam atingir

A festa dos sentidos nas simples emoções.

Estou pensando num olhar profundo

Que me revelou uma doce e estranha presença,

Estou pensando no pensamento das pedras das estradas sem fim

Pela qual pés de todas as raças, com todas as dores e alegrias

Não sentiram o seu mistério impenetrável,

Meu pensamento está nos corpos apodrecidos durante as batalhas

Sem a companhia de um silêncio e de uma oração,

Nas crianças abandonadas e cegas para a alegria de brincar,

Nas mulheres que correm mundo

Distribuindo o sexo desligadas do pensamento de amor,

Nos homens cujo sentimento de adeus

Se repete em todos os segundos de suas existências,

Nos que a velhice fez brotar em seus sentidos

A impiedade do raciocínio ou a inutilidade dos gestos.

Estou pensando um pensamento constante e doloroso

E uma lágrima de fogo desce pela minha face:

De que nada sou para o que fui criada

E como um número ficarei

Até que minha vida passe.

Adalgisa Nery (1905 - 1980) nasceu na cidade do Rio de Janeiro. Casou-se com o pintor Ismael Nery aos 16 anos de idade, passando a conviver com intelectuais da época, entre os quais Manuel Bandeira, Murilo Mendes, Aníbal Machado e Jorge de Lima. Com o falecimento de Ismael, inicia sua carreira literária publicando seu primeiro trabalho em 1935, na Revista Acadêmica, passando a contribuir com vários periódicos. Em 1940, casou-se com Lorival Fontes, que foi nomeado embaixador do Brasil no México. Com isso, a escritora passou a freqüentar a elite intelectual daquele país, tendo sido retratada por Diogo Rivera e amiga de Frida Kalo. De volta ao Brasil, após sua separação, iniciou sua carreira como articulista política, tendo escrito, de 1954 a 1966, uma coluna diária no jornal Última Hora sob o título "Retratos sem retoque". Foi eleita deputada por dois mandatos — 1962 e 1966. Foi cassada pela Junta Militar, em 1969. Deprimida, faleceu em um abrigo de idosos, no Rio de Janeiro. Algumas obras da autora: O jardim das carícias (1938), Mulher ausente (1940), Ar do deserto (1943), Cantos da angústia (1948), As fronteiras da quarta dimensão (1951) e A imaginária (1959).

Poema extraído do livro “Mundos Oscilantes – Poesias Completas”, Livraria José Olympio Editora – Rio de Janeiro, 1962, pág. 158

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails